Economista faz campanha de doação de máscaras PFF2 nos ônibus em Cuiabá

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI

Leonardo Castro de Magalhães Zardo anda de ônibus diariamente. Ele disse que percebeu uma alta aglomeração nos transportes públicos

Máscaras são doadas em pontos de ônibus — Foto: Arquivo pessoal
 Foto: Arquivo pessoal

O economista Leonardo Castro de Magalhães Zardo, de 25 anos, começou a entregar máscaras do tipo PFF2 para as pessoas que utilizam o transporte público diariamente, em Cuiabá. Todo o projeto foi idealizado por ele, desde a arrecadação até as entregas.

Ao todo, Leonardo já entregou 215 máscaras em duas semanas de projeto. Ele se inspirou em iniciativas realizadas em todo o Brasil pelas pessoas para tentar conter a Covid-19 e evitar novas ondas da doença e superlotação dos hospitais.

O economista conta que a ideia surgiu ao andar diariamente de ônibus e perceber uma alta aglomeração nos transportes públicos.

“Comecei pois ao andar de ônibus diariamente comecei a notar que as pessoas não possuem máscaras de qualidade e adequadas para o transporte público, local de alta aglomeração”, contou.

Campanha arrecada e doa máscaras de proteção — Foto: Arquivo pessoal
Foto: Arquivo pessoal

Ele arrecada o valor das máscaras através de doações em uma rede social, depois faz a compra das máscaras e distribui nos pontos de ônibus mais movimentados da capital.

Por enquanto ele está entregando as máscaras na estação Bispo Dom José por reunir linhas que vão para várias regiões da cidade e por ter muitas pessoas transitando. Ele faz a entrega duas vezes na semana ou quando há disponibilidade de doações.

Atualmente, os cientistas recomendam o uso das máscaras PFF2 e N95 já que as duas conseguem filtrar de maneira mais eficaz as partículas do vírus. Essas máscaras conseguem proteger 98% das partículas e as máscaras de tecido protegem em média 40%.

Para Leonardo, o sentimento de realizar a iniciativa é de proteção para as pessoas que recebem as máscaras.

“É um sentimento de confiança nas pessoas que estão doando e também nas que estão recebendo e acreditando em proteção e informação de qualidade”, afirma.

Fonte: G1 MT

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *