Escolas poderão ter mais alunos simultaneamente a partir de agosto, diz governo de SP

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI

Medida será feita conforme capacidade de cada instituição e seguindo protocolos de segurança. Atualmente, escolas podem operar com 35% dos estudantes matriculados por dia. Apesar da ampliação, secretário estadual da Educação diz que incialmente presença não será obrigatória

Governo de SP vai ampliar número de alunos nas atividades presenciais a partir de agosto  — Foto: Reprodução/Governo de SP
 Foto: Reprodução/Governo de SP

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (16) a ampliação da retomada das aulas presenciais a partir de agosto em todo o estado.

Segundo o governador João Doria (PSDB), caberá às instituições determinarem a capacidade máxima para receberem o maior número de alunos respeitando os protocolos de segurança contra o coronavírus.

“Nesse novo plano da secretaria estadual de educação, a partir de agosto, cada escola deverá determinar a capacidade de acolhimento total de alunos de acordo com a sua realidade, desde que sejam evidentemente respeitados todos os protocolos de prevenção como uso de mascaras, álcool em gel e distanciamento mínimo de 1 metro entre os estudantes nas salas de aula”, disse Doria.

Em setembro do ano passado, o estado retomou as aulas presenciais, mas manteve um percentual limitador de 35% dos alunos matriculados por dia.

Durante a fase emergencial, em março deste ano, as instituições ficaram abertas apenas para acolhimento de crianças em situação de maior vulnerabilidade e oferta de merenda.

Em abril, as escolas foram liberadas para voltar a receber alunos, desde que mantendo a capacidade máxima de 35%.

Movimentação de alunos na Escola Estadual Professor Simão Mathias, localizada na Avenida Ragueb Chohfi, Zona Leste de São Paulo, nesta segunda-feira (8) — Foto: Peter Leone/A7 Press/Estadão Conteúdo
Foto: Peter Leone/A7 Press/Estadão Conteúdo

Presença opcional

Segundo o secretário estadual de Educação, apesar da ampliação, a presença ainda não será obrigatória durante o mês de agosto.

“Nós tomamos a decisão de que no mês de agosto ainda não será obrigatória a volta às aulas. A família ainda poderá no mês de agosto optar. Durante o mês de julho e até o início de agosto vamos estar discutindo e revendo”, disse ele.

Rossieli defendeu que a proposta é um primeiro passo para a volta do ensino presencial, e ocorre em função do avanço da vacinação contra a Covid dos profissionais da Educação.

Ensino superior

Ainda de acordo com Rossieli, também está previsto ampliar o número de cursos universitários que poderão retomar as atividades presenciais.

“Nós temos já um protocolo que fala já que os cursos da área de saúde podem funcionar até 100% presencial, por exemplo, curso de medicina. O próprio curso define qual será o seu protocolo, a sua forma de funcionamento. E nós estamos incluindo alguns cursos que não estavam na listagem do decreto que passarão a seguir as mesmas regras, que são os cursos de saúde coletiva, de saúde publica e de medicina veterinária”, afirmou o secretário.

Fonte: G1

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *