TJ investiga juiz suspeito de atirar contra carro de namorado da ex-mulher em São José dos Quatro Marcos

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI

Também foi instaurado procedimento administrativo para apurar desvio de conduta ao Código de Ética e Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman)

Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) — Foto: Tribunal de Justiça de Mato Grosso/Assessoria
Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) — Foto: Tribunal de Justiça de Mato Grosso/Assessoria

A Corregedoria-Geral do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) abriu inquérito parar apurar o caso do juiz Cláudio Deodato Rodrigues, suspeito de atirar contra o carro de um advogado que é o atual namorado da ex-mulher dele, no munícipio de São José dos Quatro Marcos, a 343 km de Cuiabá.

O magistrado é titular da 2ª Vara de Pontes e Lacerda.

O caso aconteceu nessa segunda-feira (6). A Polícia Militar foi acionada, fez o registro da ocorrência e o magistrado compareceu à base da PM, para prestar esclarecimentos sobre os fatos.

As vítimas também foram ouvidas na Delegacia de São José dos Quatro Marcos e pediram medidas protetivas.

O procedimento foi instaurado e encaminhado ao Judiciário, sendo analisado e a competência encaminhada para o Tribunal de Justiça.

Representantes da Ordem dos Advogados do Brasil acompanharam todos os procedimentos realizados.

Após os andamentos ele será submetido ao Órgão Especial.

Segundo o TJMMT, também foi instaurado procedimento administrativo para apurar desvio de conduta ao Código de Ética e Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman), além da Resolução n 135 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

São dois procedimentos: um na esfera administrativa e outro na criminal.

“O Poder Judiciário de Mato Grosso não compactua com comportamentos da natureza relatados pela imprensa e atuará com o devido empenho no caso, assegurando o processo legal e ouvindo os envolvidos”, diz trecho da nota do TJMT.

Todo trâmite ocorre em sigilo, seguindo determinação da própria legislação e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

Fonte: G1 MT

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *