Brasil tem mais de 50 bloqueios nas rodovias, e ‘tanqueiros’ aderem à paralisação

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI

Informes sigilosos da Polícia Rodoviária para o Palácio do Planalto têm mapa e indicam risco de bloqueio de refinarias em 4 Estados

Crédito: Divulgação
Foto: Divulgação

Um detalhado informe do setor de inteligência da Polícia Rodoviária Federal para o Palácio do Planalto ao qual a Coluna teve acesso revelou que, até esta noite, são 173 os pontos de concentração de caminhoneiros em estradas federais do Brasil, e 53 bloqueios nas rodovias.

A manifestação pró-presidente Jair Bolsonaro prometida ocorreu em movimento nacional, com menor ou maior prejuízo de tempo para quem se deparou com os grupos.

A situação pode piorar e chegar aos postos de gasolina das principais capitais: de acordo com o relatório, os ‘tanqueiros’ de combustíveis de Minas Gerais aderiram à paralisação de 24 horas. Os sindicatos dos tanqueiros de São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Espírito Santo estão em estado de greve.

Em relação aos protestos e bloqueios nas rodovias Brasil adentro, em muitos casos são motoristas associados a grandes transportadoras, sindicatos patronais aliados do presidente, que bancam o óleo e a diária aos motoristas.

De acordo com os informes, a tensão paira sobre os Estados do Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas, Paraná e Santa Catarina. Mais de 400 motoristas estão em faixa de acostamento na estrada que liga o Distrito Federal a Luziânia (GO).

Ainda segundo o relatório, veículos de passeios não são retidos. Mas caminhoneiros são barrados, e os que insistem em passar sofrem pressão ou até danos materiais.

Na região Sul são registrados 94 protestos e 28 bloqueios; Na Sudeste são 29 e 9; No Centro-Oeste, 29 e 10, respectivamente. E existiam até a noite passada pontos de bloqueios na Bahia, Maranhão, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso e ES.

Fonte: Istoé

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *