Molécula presente em veneno de cobra pode reduzir ação do coronavírus

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI

Os testes foram realizados com células de macaco

Foto: Ilustrativa

Cientistas do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista, do campus de Araraquara, descobriram que uma molécula presente no veneno da jararacuçu pode reduzir a velocidade de multiplicação do novo coronavírus.
 
De acordo com o professor Eduardo Cilli – um dos autores do estudo – a ideia de explorar o potencial desse veneno veio de outra pesquisa que já havia identificado atividades antibacterianas. Segundo ele, foi estudado pedaços da molécula para descobrir quais partes da toxina tinha a ação antibacteriana e agora, foi extrapolado também para ações antiviral.
 
Os testes foram realizados com células de macaco. Os resultados foram promissores e podem levar ao desenvolvimento de fármacos contra a Covid-19 como destaca o pesquisador Eduardo Cilli. Ele explica que o medicamento pode chegar a ter eficiência de 75% de inibição do material genético do vírus. 
 
Em tupi, jararacuçu quer dizer “grande bote venenoso”. Esta serpente sul-americana está entre as mais peçonhentas do Brasil.
 
Vale lembrar que não é o veneno em si que combate o SARS-CoV-2. Os pesquisadores estão analisando o pedaço de uma proteína presente nele.
 
Cerca de 20 cientistas de diferentes áreas da Universidade de São Paulo e Universidade Federal de São Carlos trabalham em conjunto com a Unifesp. A pesquisa contou com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Fapesp.

Fonte: Agência Brasil

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *