Polícia conclui investigação contra quadrilha suspeita de praticar pirâmide financeira no RJ

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI

Eles vão responder por estelionato, associação criminosa e crime contra a economia popular. Prejuízo ultrapassa R$ 14 milhões

Gustavo Pontes Galvanho e Tiago Achiles foram para Dubai, depois de lesar investidores — Foto: Reprodução/TV Globo
Gustavo Pontes Galvanho e Tiago Achiles foram para Dubai, depois de lesar investidores — Foto: Reprodução/TV Globo

Policiais da Delegacia de Defraudações concluíram investigação sobre uma quadrilha que praticava pirâmide financeira no RJ. Segundo o delegado Alan Luxardo, o inquérito seguiu para o Ministério Público.

“A investigação policial terminou e agora entra a fase judicial, com análise do Ministério Público”.

Luxardo disse ainda que foi pedida a prisão de cinco suspeitos. Os indiciados respondem por estelionatoassociação criminosa e crime contra a economia popular.

São eles:

  1. Luiz Gustavo Santos de Pontes Galvanho
  2. Max Moreira Quintino
  3. Raphael Ramiro Cardoso de Lacerda
  4. Thiago Achilles de Souza Braga
  5. Wesley Sousa Aragão

Prejuízo de mais de R$ 14 milhões

Para atrair as vítimas, os acusados prometiam altas quantias de rendas mensais. Segundo os investigadores, o grupo gerou prejuízos de mais de R$ 14 milhões.

Os policiais informaram que indiciados utilizavam uma grande estrutura logística para impressionar e enganar os lesados, aparentando solidez no negócio contratado. Eles induziam as vítimas a celebrarem contratos de cessão de direitos, com promessas de lucros exorbitantes.

As referidas empresas pagavam os rendimentos às vítimas durante dois ou três meses e depois interrompiam o pagamento dos lucros, deixando-as com as dívidas.

Em julho, o G1 e o Bom Dia Rio mostraram que Procuradoria Regional de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, recebeu uma denúncia sobre o crime em junho. O caso está na Segunda Câmara Criminal, na Secretaria de Cooperação Internacional. A Justiça do Rio encaminhou o caso para o Tribunal Federal da 2ª Região (TRF-2).

Fonte: G1

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *