Por sete votos a zero, TRE anula cassação de diploma do vereador Wanderley Paulo

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI

Parlamentar foi absolvido por 7 votos a 0 

Foto: Portal Sorriso/Arquivo

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) acolheu, na sessão desta terça-feira (19), o recurso que anulou a cassação do mandato do vereador de Sorriso Wanderley Paulo (PP). Por sete votos a zero, foi julgada improcedente a decisão da juíza Paula Casagrande, da 43ª Zona Eleitoral. Foi considerado que não houve fraude eleitoral para cumprimento da cota de gênero nas eleições municipais de 2020. 

Dessa forma, foram anulados os atos em primeira instância com a reforma da decisão de que as acusações, da ação de investigação judicial eleitoral proposta pelo Ministério Público Eleitoral, são improcedentes. 

Na época, uma denúncia apontou que Maria de Fátima França Cabezas, conhecida como “Maria Pipoca”, supostamente teria a candidatura registrada apenas para cumprir a exigência de pelo menos 30% de mulheres na formação da sua lista de candidatos ao Legislativo. Após a Justiça Eleitoral cassar o diploma do vereador, ele se manifestou ao afirmar que a própria candidata garantiu ser alfabetizada e negou todas as demais acusações, que hoje foram acolhidas pelo TRE. 

“Estou muito feliz por essa decisão do TRE. Desde o princípio nós afirmávamos que não tínhamos feito nenhuma ação para cumprir a cota de gênero. Todos os nossos candidatos foram chamados para de fato candidatos serem, até porque um partido precisa de votos. e pelo conhecimento que a nossa a candidata [Maria Pipoca] tinha, nós entendemos que ela, sim, poderia ajudar muito o nosso partido. Infelizmente, por problemas de saúde do seu esposo, ela veio a desistir e o que mais nos chateia é que ela desistiu no domingo, e na segunda-feira de manhã foi levada para a casa do adversário do prefeito Ari Lafin, a partir daí houve esse desenrolar com falsas acusações “. 

Conforme Wanderley, a própria candidata afirmou que nunca foi chamada para atuar como “laranja”, e que teria diploma. “Tudo está nos altos. Então, tudo atestou para a nossa inocência e a comprovação de que o partido processado de forma correta. Portanto, estou muito feliz e o mais importante é que hoje nós estamos tranquilos, e continuamos firmes no cargo trabalhando por Sorriso e pelo nosso progresso “. 

O parlamentar teve o mandato cassado pela Justiça Eleitoral em janeiro deste ano, mas como a decisão foi dada em primeira instância, ele seguiu normalmente com os trabalhos na Câmara de Vereadores até o julgamento do recurso, que ocorreu hoje (18).

Fonte: Portal Sorriso

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *