NOTA PÚBLICA

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI
Pode ser uma imagem de texto
Foto: Divulgação

Tendo em vista, requerimento apresentado e lido na última sessão legislativa pelos nobres Vereadores Júlia Uczai, Marcos Icassati, Carmilton, Louredo, Samuel Carteiro e Douglas Picotte, os quais buscam indagar ao Prefeito Municipal, diversos assuntos sobre minha pessoa, eu, Maria Divina Bohrer, venho através desta nota esclarecer que:

Sobre o Requerimento: “Informar se a Sra. MARIA DIVINA BOHER YOUNES faz parte do quadro de servidores da Prefeitura Municipal?”

Esclareço para os nobres vereadores que não faço parte do quadro de servidores, o que poderia ser facilmente constatado através de uma busca no Portal da Transparência do Município.

Caso os nobres vereadores não conheçam esta ferramenta, desde já deixo o link para que os mesmos possam no futuro, efetuar buscas sobre situações em que tenham curiosidades semelhantes: (https://www.matupa.mt.gov.br/Administracao/Portais/ )

Sobre o requerimento: “Caso ela não faça parte, informar qual é a ligação que ela tem com a Prefeitura Municipal e com diversas Secretarias e setores da Administração.”

Informo que a ligação que tenho com a Prefeitura Municipal e com as diversas Secretarias e setores da Administração, é a mesma que todos os munícipes, pagadores de seus impostos, possuem, a de utilizadora de serviços públicos.

Sobre o requerimento: “Informar quais são as razões que ensejam a entrada e permanência desta senhora fora do horário de expediente em setores da Administração Municipal.”

Nobres vereadores, creio que vocês estejam completamente desinformados, pois lhes garanto que não tenho frequentado e permanecido fora do horário de expediente em nenhum setor da Administração Municipal, e lanço aqui o desafio a vocês de provarem esta falsa afirmação.

Sobre o requerimento: “Qual o vínculo dela com a Secretária Municipal de Assistência Social, haja vista ela ser conhecida e chamada pela alcunha de “MÃEZONA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL”, tanto por servidores quanto por pessoas que estão sendo “beneficiadas”.

”Nobres vereadores, o vínculo que possuo com a assistência social, é o mesmo que qualquer cidadão de bem devia possuir, por vezes doo objetos que não mais uso, e já doei duas cestas básicas, em oportunidades distintas.

Sempre aprendi que devemos fazer o bem ao próximo, tenho 03 (três) crianças que estão em fase de crescimento, sendo que suas roupas e brinquedos, acabam ficando sem uso com o tempo, e o que pensam que eu deveria fazer? Jogar fora? Não, levo até a Assistência Social que saberá dar a destinação adequada.

O que parece, é que os senhores desejam criminalizar a conduta de quem pensa no próximo, quem pensa em doar, atribuindo até alcunhas que não me pertencem.

Devo aqui frisar, que minha assessoria jurídica, diligenciou junto a Assistência Social, onde foi informada que nenhum dos funcionários que lá trabalham me chamam por este apelido que vocês me atribuíram, sendo que alguns sequer sabem quem sou, e pergunto nobres vereadores, qual a intenção de vocês me atribuírem alcunha e fazer tais questionamentos? Me constranger a não doar mais quando eu tiver itens sem uso? Constranger quem pensar em doar algo? Pois da forma que expõem, parece que é crime fazer doações para a Assistência Social.

Qual o incômodo com alguém que fez uma doação, será que a atitude por exemplo do vice prefeito em doar o seu salário integralmente também incomoda vocês? Ou somente eu causo incômodo a vocês? Vocês são benevolentes? Algum de vocês abre mão da verba indenizatória ou do salário em prol de alguma entidade beneficiente?

Ao invés de se preocuparem em tentar constranger quem faz doações, deviam se preocupar em doar, aliás, desafio vocês a terem a atitude altruísta de doarem ao menos durante um mês, integralmente seus salários e verbas indenizatórias, assim como faz o vice-prefeito. Alguém aceita este desafio?

Para concluir, o requerimento sobre informar se faço doações, creio que já foi respondido, porém, creio que os senhores vereadores, devem possuir mais respeito ao próximo, não atribuindo aos outros apelidos que não lhes pertençam, falo isto com relação a parte final do pedido do item 7 da pauta, que finaliza com a seguinte frase

“(…) e enviar a relação completa dos cadastramentos nos últimos dois anos, contendo o nome, o endereço e o telefone das pessoas que estão sendo beneficiadas com as cestas doadas, tanto pela própria Secretaria quanto pela mãezona:”.

O que virou esta Câmara? Cadê o respeito? Quem lhes deu a liberdade de me atribuir um apelido de mãezona? Agem acobertados pelo manto da imunidade parlamentar, e se aproveitam disto para perseguir, dar apelidos e atacar as pessoas.

Sinceramente nunca vi um documento público em que os servidores públicos usem apelidos no lugar do nome das pessoas, uma atitude tão baixa, vil, digna de repúdio!

O trabalho do vereador é um mister nobre, e os senhores e a senhora vereadora, com tais atitudes, apequenam esta gloriosa Casa de Leis.

Me respeitem!

Respeitem o povo matupaense!

Matupá, Capital da Amizade, 12/05/2022

MARIA DIVINA BOHER YOUNES

Fonte: Assessoria

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *