Lúdio Cabral diz que MT teve 40% mais mortes que resto do Brasil

Lúdio ainda lamentou o que chamou de discurso negacionista oficial do Estado, que disse que Mato Grosso não seria muito atingido por ter uma densidade populacional baixa e clima quente

Lúdio Cabral diz que MT teve 40% mais mortes que resto do Brasil

O deputado estadual Lúdio Cabral (PT) lamentou a marca de cinco mil mortes em decorrência do novo coronavírus (Covid-19), alcançada em Mato Grosso nesta terça-feira (26). Segundo o parlamentar, proporcionalmente o número é 40% maior que o do resto do país, e a realidade é “produto de decisões governamentais, de escolhas políticas determinadas por interesses econômicos, não apenas agora na pandemia, mas por anos antes dela. E devemos ter consciência disso, do contrário, a história pode se repetir novamente como tragédia”, afirmou, em um artigo.

Na tarde desta terça-feira (26), o ‘Painel Covid’, da Secretaria de Estado de Saúde (SES) já indicava 5.019 óbitos e 210.567 casos da doença. “Cada um de nós, mato-grossenses, convivemos com a dor pela perda de alguém para essa doença. Todos nós perdemos pessoas conhecidas, amigos ou alguém da nossa família. A pandemia em Mato Grosso foi mais dolorosa que na maioria dos estados brasileiros e o fato de termos uma população pequena dificulta enxergarmos com clareza a gravidade do que enfrentamos até aqui”, afirmou.

“A taxa de mortalidade por covid-19 na população mato-grossense, de 141,6 mortes por 100 mil habitantes, é a 4ª maior entre os estados brasileiros, inferior apenas aos estados do Amazonas (171,9), Rio de Janeiro (166,2) e ao Distrito Federal (147,0). O número de mortes em Mato Grosso foi, proporcionalmente, quase 40% superior ao número de mortes em todo o Brasil. Significa dizer que se o Brasil apresentasse a taxa de mortalidade observada em Mato Grosso, alcançaríamos hoje a marca de 300.000 vidas perdidas para a covid-19 no país”, completou o parlamentar.

Lúdio ainda lamentou o que chamou de discurso negacionista oficial do Estado, que disse que Mato Grosso não seria muito atingido por ter uma densidade populacional baixa e clima quente. “Lembram do posicionamento oficial do governador de Mato Grosso no início da pandemia, de que o nosso estado não teria mais do que 4.000 pessoas infectadas pelo novo coronavírus? Infelizmente, a realidade desmentiu o negacionismo oficial e oficioso em nosso estado. Não sem muita dor”, afirmou o deputado.

Ainda segundo o parlamentar, o sistema de saúde do Estado não foi preparado de forma adequada, os governos negligenciaram o isolamento social necessário e transmitiram mensagens irresponsáveis à população, tudo isso enquanto Mato Grosso foi campeão de crescimento econômico em 2020.

O deputado, que também é médico sanitarista, citou uma “ironia do destino” no fato de que “um dos municípios símbolo desse modelo de desenvolvimento, Sinop, experimentou mortalidade de até 100% entre os pacientes internados em leitos públicos de UTI para adultos em seu hospital regional”.

“Os números da covid-19 em Mato Grosso são produto de decisões governamentais, de escolhas políticas determinadas por interesses econômicos, não apenas agora na pandemia, mas por anos antes dela. E devemos ter consciência disso, do contrário, a história pode se repetir novamente como tragédia”, denunciou o deputado.

Fonte: Olhar Direto

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *