Dois acusados de latrocínio são presos em em Breves, no Pará

Crime vitimou o vigilante Anisio Silva Mendes, que trabalhava no Porto Oliveira Nobre. Na ocasião, dois homens mataram a vítima para roubar o revolver calibre 22, arma de trabalho do vigilante.

Em 11/04/2018 07:30:00 na sessão Cidades

Dois autores de crime de latrocínio (roubo seguido de morte) foram presos em flagrante em Breves, na Ilha do Marajó, segundo informações divulgadas pela Polícia Civil nesta terça-feira (10). Por volta das 23h30 desta segunda-feira, policiais foram informados sobre o crime que vitimou o vigilante Anisio Silva Mendes, que trabalhava no Porto Oliveira Nobre. Na ocasião, dois homens mataram a vítima para roubar o revolver calibre 22, arma de trabalho do vigilante.

Durante o crime, a vítima foi morta a facadas. Um dos golpes atingiu a veia jugular de Anisio, que morreu no local. A arma de fogo que a vítima utilizava no trabalho foi roubada.

Em menos de três horas após o crime, os policiais civis, comandados pelo delegado Gustavo Ceccagno, conseguiram esclarecer tudo e prender os suspeitos. Segundo o delegado, o crime foi encomendado por um dos presos - Sandro Rodrigues Balieiro - que, meses antes, havia tentado comprar a arma da vítima. Porém, como o vigilante não quis vender a arma, o acusado decidiu contratar João Paulo dos Santos e um adolescente para roubar a arma, com a promessa de lhes pagar R$ 500.

As investigações apontaram João Paulo como responsável em desferir as facadas, enquanto que o adolescente foi quem roubou o revólver calibre 22. Após o crime, os autores do latrocínio fugiram do local.

Para tentar se livrar das provas de envolvimento no crime, o adolescente escondeu o revólver em um terreno de sua prima situado próximo de sua residência. Ele e o comparsa ainda tentaram esconder o sangue da vítima em suas roupas, lavando-as, mas as roupas foram apreendidas e o revólver foi localizado. Com as investigações, os autores do crime foram presos. Os adultos foram autuados em flagrante e o adolescente passou por auto de apreensão.

No momento da prisão de Sandro, ele foi flagrado com um simulacro - arma falsa - semelhante a uma pistola tipo 24/7. Diante da repercussão do crime, algumas pessoas foram até a sede da Polícia Civil em Breves que foi guarnecida com apoio da Guarda Municipal e da Polícia Militar. Os crimes atribuídos aos acusados ultrapassam 40 anos de reclusão. Os adultos irão responder por latrocínio, associação criminosa e por corrupção de menor. A Polícia Civil segue colhendo depoimentos para concluir o inquérito policial no prazo legal de até 10 dias.


Fonte: G1 PA



Por Olhar Cidade 11/04/2018 07:30:00

Mais notícias da sessão: Cidades