Defesa Civil de Barra do Garças mapeia áreas de risco para definir plano de ação

Um dos pontos visitados pelos geólogos foi a casa atingida por uma rocha em janeiro de 2016, no bairro Santo Antônio, com danos materiais na cozinha.

Em 08/11/2018 09:08:00 na sessão Cidades

Um mapeamento da Defesa Civil de Barra do Garças apontou 13 áreas com riscos de deslizamentos ou desabamentos com danos às moradias e pessoas que residem nesses locais. O levantamento foi feito por uma equipe de geológicos da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM/Serviço Geológico do Brasil), órgão ligado ao Ministério de Minas e Energia.

Vários bairros foram percorridos para a realização do mapeamento que servirá de base para a elaboração do Plano de Contingência para a tomada de medidas contra possíveis danos da natureza durante o período chuvoso. Entre os bairros visitados estão Jardim Amazônia I e II (BNH), Anchieta, Jardim Pitaluga, Serrinha, Santo Antônio/Serrinha, União e Alto Boa Vista.

Durante o trabalho de levantamento, os geólogos do Serviço Geológico do Brasil, Deyna Pinho e Rodrigo Luiz Gallo Fernandes, acompanhados por e membros da Defesa Civil do Estado e de Barra do Garças, catalogaram, fotografaram e colheram informações com os moradores que vivem nesses locais, principalmente, nas encostas do Parque Estadual da Serra Azul, ponto de maior vulnerabilidade.

Um dos pontos visitados pelos geólogos foi a casa atingida por uma rocha em janeiro de 2016, no bairro Santo Antônio, com danos materiais na cozinha. Além desse local, os profissionais visitaram casas construídas na Área de Proteção Ambiental (APA) no Jardim Amazônia II, na encosta da Serra Azul e residências que apresentam risco aos moradores por apresentarem rachaduras. A conclusão é que a maioria das casas correm risco devido à falta de drenagem.

O coordenador da Defesa Civil de Barra do Garças, Paulo Henrique Borges antecipa que a partir desse mapeamento, a Prefeitura começa a trabalhar o Plano de Contingência para evitar riscos as famílias que residem nas áreas, inclusive, em caso de necessidade, da remoção das pessoas desses pontos críticos. "Vamos nos reunir com os membros do Conselho Municipal de Proteção e Defesa Civil para definir as ações que serão tomadas imediatamente. Não vamos ficar de braços cruzados", disse.

Fonte: Araguaia Notícias.



Por Olhar Cidade 08/11/2018 09:08:00

Mais notícias da sessão: Cidades