Deputados aprovam por unanimidade reformulação do Fethab e ampliam taxação do agronegócio

O texto havia sido aprovado em primeira votação na semana passada e nesta quinta-feira (24) voltou à pauta com substitutivo integral, que alterou a alíquota dos setores, mas manteve a previsão de arrecadação.

Em 25/01/2019 09:30:00 na sessão Estado

Os deputados estaduais acabaram de aprovar por unanimidade em segunda votação texto que reformula o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) e aumenta a arrecadação sobre o setor do agronegócio em Mato Grosso. O texto havia sido aprovado em primeira votação na semana passada e nesta quinta-feira (24) voltou à pauta com substitutivo integral, que alterou a alíquota dos setores, mas manteve a previsão de arrecadação.

 
O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) usou a tribuna para defender a taxação do setor e disse que foi um dia histórico para Mato Grosso, por ampliar a arrecadação sobre o setor mais capitalizado do Estado.
 
O deputado estadual Max Russi (PSB) apresentou pedido parta voto em destaque de emenda que incluiria prazo ao novo modelo, mas a possibilidade foi derrubada, sob orientação da liderança do governo, feita por Dilmar Dal Bosco (DEM).
 
O substitutivo integral foi apresentado por lideranças partidárias após de discussão com o setor produtivo, mas não agradou as lideranças do agronegócio. A previsão de arrecadação com o substitutivo é de R$ 1,465 bilhão, ou seja, cerca de R$ 500 milhões a mais por ano se comparado com o Fethab que estava em vigor até então. O texto agora vai para a sanção do governador Mauro Mendes (DEM).
 
A proposta integra o pacote de leis, denominado "Pacto por Mato Grosso", que busca estabelecer parâmetros legais para conter as dificuldades financeiras enfrentadas atualmente pelo Estado. A intenção do Governo com a modificação da Lei n° 7.263/2000, que dispõe sobre a questão, é ampliar a arrecadação estadual e compensar as perdas provocadas pela Lei Kandir, que prevê repasses da União ao Estado a título de compensação pela desoneração do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre as exportações.
 
Pela proposta, os recursos do Fundo oriundos das contribuições estabelecidas em lei serão destinados a investimentos pelo Governo do Estado, sendo 30% voltados a execução de obras públicas de infraestrutura de transporte, incluindo manutenção, conservação, melhoramento e segurança. Outros 10% para capitalizar a MT PAR e investir em projetos de interesse do Estado de Mato Grosso. E outros 60% serão destinados à aplicação pelo Tesouro Estadual, visando ações nas áreas de segurança pública, saúde, educação e assistência social.
 
Entenda a mudança para colaboração para cada setor
 
O Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) tem como base de cálculo a Unidade Padrão Fiscal (UPF), indexador que corrige taxas cobradas pelo Estado como, por exemplo, o ICMS. O novo Fundo propõe, justamente, alterações nas alíquotas incididas sobre valor da UPF na comercialização de produtos do agronegócio. Acompanhe as mudanças previstas em Projeto de Lei:

Soja - No Fethab de 2018 para cada tonelada de soja em grãos transportada, o contribuinte deve destinar ao Fundo 19,21% do valor da UPF. Na nova proposta, a alíquota sobe para 20% da UPF na soja em grão e 20% se a carga for para exportação, creditando recolhimento anterior. A previsão é de que sejam arrecadados R$ 850 milhões anuais.

Algodão - Hoje, o recolhimento é de 20,47% da UPF por tonelada de pluma comercializada. No regime proposto a alíquota passa para 75% da UPF por tonelada exportada, com previsão de R$ 250 milhões de arrecadação. No algodão também haverá redução do incentivo fiscal do PROALMAT que constituirá em um aumento da carga de ICMS de 3% para 4,8%.

Gado em pé - O índice atual é de 23,52% do valor da UPF por cabeça de gado destinada ao abate. A nova alíquota elevaria para 24% do valor da UPF por cabeça de gado para o abate. A previsão é que em 2019 sejam arrecadados R$ 175 milhões.

Madeira - O percentual fixado até 2015 era de 9,305% da UPF por metro cúbico de madeira transporta, alíquota que foi zerada de 2016 a 2018. Na proposta sobe para 10% da UPF por metro cúbico de madeira transportada, com previsão de arrecadar R$ 20 milhões neste ano.

Milho - O recolhimento passa a ser de 6% do valor da UPF por tonelada de milho destinada a outros Estados e também à exportação. É previsto neste ano um total de R$ 150 milhões em arrecadação.

Carne desossada e carne com miudezas - A alíquota será de 0,04% no valor da UPF por quilograma de carne das espécies bovina ou bufalina transportada. O incremento de receita é estimado em R$ 20 milhões para este ano.

Fonte: Olhar Direto



Por Olhar Cidade 25/01/2019 09:30:00

Mais notícias da sessão: Estado