Instituições de ensino de Confresa fazem paralisação contra bloqueios na educação

A paralisação foi em todos os âmbitos da educação: federal, estadual e municipal

Em 16/05/2019 09:32:00 na sessão Cidades

Na manhã de quarta-feira (15), instituições de ensino municipais, estaduais e o Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), fizeram uma paralisação e protesto em Confresa contra a decisão do Governo Federal em cortar 30% da verba destinada à educação.

Em entrevista, a Diretora Regional do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Lucimeire Lázara, afirmou que em Confresa a paralisação foi geral: "a paralisação em Confresa é unificada, entre rede federal, estadual e municipal, onde tanto os profissionais da educação quanto os alunos estão na rua para dizer não à retirada de direitos, de investimentos e de recursos na educação".

O aluno do curso técnico em agropecuária do IFMT, Clismã Aguiar, contou ao jornalismo que a manifestação iniciou às 7h com uma passeata que saiu da Prefeitura Municipal e seguiu até o Camilão. No espaço, foi feito um sarau cultural com coral e teatro, e em seguida, uma apresentação da banda do IFMT. O estudante disse que tem o sonho de se formar em química, e aderiu ao movimento, porque quer lutar para concluir esse objetivo.

Para Gislaine Maia, membro do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (SINASEFE), que estava presente no protesto, existem muitos motivos para não haver os cortes na educação: "Confresa tem um grupo de estudantes da licenciatura que tem um projeto que será apresentado em Paris esse ano, então porque a sociedade não divulga isso? É o nome de Confresa que vai para a Europa. Porque ficar mostrando que nas universidades só se faz balbúrdia? Venha ver essa balbúrdia aqui".

Indagado sobre o que diria ao governo, o estudante do curso de licenciatura em biologia do IFMT, Carlos Eduardo Siqueira, disse que o presidente deveria vir e olhar o tipo de "balbúrdia" que acontece nas universidades: "se hoje tem alunos que saíram na rua para se manifestar por causa dos cortes, então há pessoas, há alunos ainda que querem um ensino de qualidade, que buscam e visam um ensino melhor. Eu queria que ele estivesse aqui nessa praça hoje, em Confresa, para ver todos os nossos projetos científicos que estão espalhados aqui".

Aconteceram durante o dia 15, protestos em todos os estados brasileiros, inclusive no Distrito Federal. Diante disso, o Presidente Jair Bolsonaro, que está em visita aos Estados Unidos, disse que não gostaria de contingenciar verbas, em especial na educação, mas que o bloqueio é necessário. Sobre os manifestantes, o presidente falou em entrevista que se tratam de "idiotas úteis", entre outros.

Fonte: Olhar Alerta


Por Olhar Cidade 16/05/2019 09:32:00

Mais notícias da sessão: Cidades