Em depoimento, casal que jogou bebê em poço em Tabaporã afirma que criança morreu após tomar medicamento

A vítima foi jogada dentro de um poço pelos acusados, que foram presos na cidade de Jataí (GO).

Em 11/01/2020 08:45:00 na sessão Cidades

Foto: Reprodução

Thiago Silva Lacerda e Raquel Araújo Dias, que confessaram ter jogado a filha de seis meses dentro de um poço, na cidade de Tabaporã (674 quilômetros de Cuiabá), afirmaram que a criança morreu após passar mal ao ingerir um medicamento. Em depoimento, os dois divergiram sobre a ocultação do cadáver e se mostraram arrependidos.

Em entrevista, o delegado Agnaldo Coelho, de Jataí (GO), onde foi realizada a prisão, destacou que o pai contou em depoimento que ministrou um medicamento para a criança, que passou mal. Sem saber o que fazer, o homem então teria ocultado o corpo da bebê de seis meses.
 
"Óbvio que isto será investigado pela Polícia Civil de Tabaporã. A nossa suspeita é que o fato não ocorreu desta forma. O natural era a vítima ser levada para um hospital, para que se tomem medidas de reanimação. Não é uma conduta normal a que eles disseram ter tido. Acreditamos que possa ter ocorrido outras coisas", disse o delegado.
 
Em seu depoimento, Raquel disse que não estava em casa quando a menina morreu e que, quando chegou, a criança já havia sido jogada no poço. Porém, Thiago divergiu desta versão e disse que os dois tomaram a decisão de ocultar o corpo da menor.
 
"Os dois se mostraram arrependidos. Agora, eles tem um prazo de 30 dias para ficarem presos aqui em Jataí. Possivelmente, a Justiça deverá recambiá-los para Tabaporã, onde responderão pelo crime. Não tinham manifestado qualquer interesse em se entregar. Só depois, que ficaram sabendo e que nós estávamos em diligências é que eles foram pegos", explicou o delegado.
 
Segundo a Polícia Civil, há aproximadamente quatro meses o casal já havia sido denunciado por maus tratos contra a criança, que ficou na Casa de Passagem durante certo período, até que a guarda foi restituída aos pais. Sobre este caso, os dois negaram as acusações.
 
"Quero ressaltar que todo trabalho investigativo, que levou a prisão dos dois investigados foi feito pela Polícia Civil de Tabaporã. Nosso trabalho foi de apoio e se resumiu a efetuar a prisão depois de todo levantamento feito pela equipe do delegado Albertino Felix de Brito Junior. O mérito é todo da Polícia Civil de Mato Grosso", finalizou Agnaldo Coelho.
 
O caso
 
O corpo do bebê de seis meses, que teria sido morto pelos pais, foi encontrado na noite da última quinta-feira (09), apos buscas realizadas pelo Corpo de Bombeiros e policias Civil e Militar, na cidade de Tabaporã (674 quilômetros de Cuiabá). A vítima foi jogada dentro de um poço pelos acusados, que foram presos na cidade de Jataí (GO).
 
Segundo o Corpo de Bombeiros, o poço tem cinco metros de profundidade. Durante as buscas ainda na noite de quinta-feira, foi possível localizar fragmentos do corpo da criança. Os trabalhos serão retomados nesta sexta-feira (10).
 
Conforme testemunhas, o casal foi visto em três situações, sendo a primeira delas nas proximidades do córrego, com o carrinho de bebê (não sendo constatado se a criança estava nele).
 
Logo em seguida, o casal foi visto sozinho sem a criança e sem o carrinho e mais tarde, pedindo carona a terceiros, apenas com mochilas e também sem o bebê. Desde então o casal não foi mais visto na cidade. A casa que eles moravam estava abandonada só com os móveis e alguns pertences pessoais deles e da criança.
 
As investigações iniciaram na quarta-feira (08), após denúncia feita ao Conselho Tutelar, relatando que o pai da criança disse que teve que sair às pressas da cidade e pediu para que fosse colocado fogo nas coisas do bebê. O carrinho da criança foi encontrado às margens do rio.

Fonte: Olhar Direto



Por Olhar Cidade 11/01/2020 08:45:00

Mais notícias da sessão: Cidades